Tratamento de Hérnia de Disco Lombar Completo







Esses pacientes apresentam-se com dor ciática aguda, às vezes tão severa que não podem ser mobilizados. Nesses casos, curtos períodos de repouso são necessários. Apesar do uso de analgésicos opioides ou não opioides (dependendo da intensidade da dor) ser necessário para controle da dor, a base do tratamento consiste no uso de anti-inflamatório. Muitas vezes, é recomendado o uso de corticoterapia.

Na fase aguda, o uso de fisioterapia analgésica (eletroterapia) é adjuvante no controle da dor. Entretanto, assim que o paciente tolerar, devem ser iniciados exercícios para fortalecimento da musculatura do tronco e alongamentos (cinesioterapia), visando ao retorno mais precoce das atividades funcionais. Também se recomenda educação postural e modificação das atividades.

Terapia com injeção epidural de corticoide pode ser utilizada para controle da dor ciática, permitindo que o paciente inicie as terapias de reabilitação. Outra via para administração de corticoide é transforaminal, em que a medicação é injetada diretamente no local da compressão da raiz nervosa, guiado por radioscopia ou TC.

Pacientes com dor radicular severa e incapacitante, que não respondem ao tratamento analgésico medicamentoso ou fisioterápico, devem ser considerados para tratamento cirúrgico. Pacientes com déficit neurológico motor (grau 3 ou inferior) também devem ser considerados ao tratamento cirúrgico. Consiste em indicação relativa para cirurgia a presença de radiculopatia persistente sem resposta a tratamento conservador, embora não exista consenso para o tempo limite a ser tolerado. Estima-se que, após 4 a 6 semanas de persistência da radiculopatia, o paciente seja beneficiado com cirurgia.

Síndrome da cauda equina é indicação absoluta para tratamento cirúrgico, que deve ser realizado imediatamente após o diagnóstico para evitar sequelas neurológicas mais drásticas.

O objetivo do tratamento cirúrgico da hérnia de disco é a descompressão da estrutura neural afetada. A técnica padrão mais frequentemente realizada é a dissectomia, realizada por meio de laminotomia parcial unilateral, visando a não promover instabilidade no segmento abordado. Afastam-se os elementos neurais e o fragmento do disco herniado é removido. Evidências mostram que apenas o fragmento herniado responsável pela compressão precisa ser removido. Caso não haja instabilidade prévia ou produzida pela descompressão, não é necessário realizar artrodese do segmento afetado.

O tratamento cirúrgico da hérnia de disco tem eficácia para resolução da radiculopatia, ou seja, da dor ciática. Pacientes cujo sintoma principal seja dor lombar axial devem ser avaliados como portadores de espondilose degenerativa sintomática associada à hérnia de disco. Esses pacientes devem ser considerados para realização de artrodese associada à dissectomia descompressiva.


COMENTE ESSE POST

Compartilhe no Google +

0 comentários: