Hérnia de disco pode causar disfunção sexual


A relação entre dores nas costas e uma vida sexual sempre foi uma questão pouco discutida. Um estudo, publicado no ano passado no J Neurosurg: Spine, focou a interferência da hérnia de disco na qualidade de vida sexual das pessoas. Os resultados são interessantes.

A pesquisa analisou 43 pessoas com média de idade de 41 anos, entre homens e mulheres, com o objetivo de avaliar as atividades sexuais dos portadores de hérnia de disco antes e depois de passarem por cirurgia.

O resultado mostrou que 55% dos homens e 84% das mulheres disseram ter problemas sexuais após o aparecimento da dor motivada pela hérnia. A disfunção mais citada foi a diminuição do desejo sexual, tanto pelos homens, quanto pelas mulheres. Os integrantes do sexo masculino também se queixaram de ejaculação precoce e disfunção erétil (18%).  

Os pacientes não são snalisados em seu contexto geral e suas queixas paralelas ao quadro da dor acabam ficando em segundo plano

Após o tratamento, a pesquisa apontou que a frequência de relações sexuais no grupo analisado era 78% menor antes da cirurgia, quando comparado ao período em que os pacientes disseram estar sem dor.

Como profissional, posso dizer que o estudo mostra não só a interferência do problema no cotidiano dos indivíduos, mas também a necessidade de atenção e tratamento adequado. A conclusão do trabalho mostra que os pacientes não são analisados em seu contexto geral e suas queixas paralelas ao quadro da dor acabam ficando em segundo plano, quando na verdade são componentes de grande importância. 

Tratamento

Felizmente, esse problema é passível de solução, por meio de tratamento multidisciplinar, com medicamentos, fisioterapia e, em situações mais complicadas, cirurgia. No caso do procedimento cirúrgico, a tendência atual é optar por uma nova técnica minimamente invasiva, baseada na videoeondoscopia, consagrada em países como os Estados Unidos, Ásia e Europa, e vem sendo aplicada com bastante sucesso também no Brasil. 

Um desses novos métodos é baseado em um corte mínimo, de cerca de um centímetro, podendo ser realizado, em alguns casos, com anestesia local. O procedimento é simples, tanto que o paciente pode receber alta geralmente no mesmo dia e sair andando do hospital. O uso de técnicas tradicionais associado à colocação de implantes deve ser analisado com cuidado e utilizado apenas em casos extremos associados a instabilidades intensas.
Abraços e até a próxima

Fonte: Minha Vida

0 comentários:

Hérnia de disco: acompanhamento físico e psicológico é fundamental


A hérnia de disco é uma das doenças de coluna mais comuns. Seu tratamento costumava causar grande medo nas pessoas, pois era necessário uma grande cirurgia e longo tempo de recuperação. Hoje, médicos especialista em coluna oferecem um tratamento minimamente invasivo, oferecendo ótimos resultado com mínimos riscos ao paciente.

O paciente com hérnia de disco costuma apresentar dor que pode irradiar-se da parte inferior da coluna passando pela coxa, pela perna e chegando até o pé. Pode haver perda de sensibilidade e dificuldade ao movimentar membros inferiores. Normalmente estes sintomas são observados em um lado somente, porém são bastante incômodos.

A maioria dos casos de hérnia de disco podem ser tratados efetivamente com métodos conservadores como medicação, fisioterapia e cuidados posturais. Somente quando não obtemos melhora com métodos conservadores,utilizamos métodos minimamente invasivos como a foraminotomia cervical para ressecção da herniação. Esta técnica caracteriza-se por uma recuperação muito rápida no pós operatório. Nos casos onde a foraminotomia não esta indicada devido ao comprometimento do disco, utiliza-se método de preservação de movimento, como o disco artificial cervical, ou ainda métodos de estabilização rígida como a fusão cervical (artrodese).  

Abordagem psicologica no tratamento das dores da coluna

Assim como os fatores psicológicos podem contribuir para os problemas, a atitude, a compreensão e aceitação do paciente são pontos importantes no auxilio ao controle da dor crônica. Junto com o tratamento físico o paciente devera receber aconselhamento e acompanhamento psicológico para melhorar seu estado emocional.
Desenvolver uma atitude positiva sobre a recuperação aumenta as chances de que esta seja mais curta e fácil. 

"A atitude, a compreensão e aceitação do paciente são pontos importantes no auxilio ao controle da dor crônica"

Fatores que contribuem para dor

Depressão - É muito comum pacientes com dores crônicas na coluna desenvolverem algum nível de depressão. Há uma duvida quanto ao que vem primeiro: se a dor crônica ou a depressão. De qualquer maneira a depressão deve ser considerada e tratada adequadamente para que possa se alcançar o melhor resultado possível dos demais tratamentos.

Estresse - O estresse relacionado a outros aspectos da vida comumente aumentam a dor nas costas e pescoço. É muito importante identificar estes fatores de stress e a aprender a lidar com eles de maneira que não afete negativamente a dor. 

Medo e ansiedade - Estes são sentimentos comuns quando a dor volta após um período sem sintomas. Muitos questionamentos são feitos em relação às causas possíveis do retorno da dor. Irei perder os movimentos? Tenho câncer? Medo e ansiedade fazem com que a dor pareça maior do que realmente é.

Insônia - A insônia causada pela dor pode causar agitação, fadiga, transtornos de humor e irritabilidade. Tudo isso pode intensificar a dor. Restabelecer o ciclo de sono é um dos primeiros passos no tratamento da dor crônica. 

Opções de Tratamento

Técnicas de relaxamento são indicadas para lembrar ao paciente de relaxar física e emocionalmente com o objetivo de diminuir o desconforto na área afetada da coluna. O estresse físico e mental pode contribuir com este incomodo.

Atividades de lazer - Empenhar-se na realização de atividades que possam distrair sua mente e esquecer da dor forçando o seu cérebro a se concentrar em outras coisas que não a dor.

Pacing - é um auxiliar muito importante no processo de recuperação. É usado para ajudar a controlar a quantidade de trabalho que um paciente pode desenvolver em um determinado período de tempo a fim de evitar uma recaída ou mesmo a fadiga que também pode causar a dor.

Biofeedback - é um tratamento que usa eletrodos para monitorar a atividade muscular na área afetada da coluna e mostra isso em um monitor. Isto possibilita ao paciente visualizar o relaxamento dos músculos.

Fonte: Minha Vida


0 comentários: