Quiropraxia e a hérna e disco








O que é?

A coluna vertebral é composta por 33 vértebras que juntas, são capazes de sustentar o corpo, proteger a medula espinhal e realizar o movimento. São sete vértebras cervicais, doze torácicas, cinco lombares, cinco sacrais formando o osso sacro, e quarto coccígeas, também fundidas e formando o osso cóccix. Entre as vértebras cervicais, torácicas e lombares, localizam-se os discos intervertebrais que servem para amortecer o impacto e com isso, proteger a coluna vertebral.


Predisposição genética é a causa de maior importância para a formação de desordens discais, seguida do envelhecimento, da pouca atividade física, da má postura e do tabagismo. Carregar ou levantar muito peso também pode comprometer a integridade do sistema muscular que dá sustentação à coluna vertebral e favorecer o aparecimento de desordens discais.


Quando estes discos se desgastam, parte deles sai da posição normal e comprimem tecidos delicados da Coluna Vertebral. Esta condição é também conhecida como hérnia de disco.


Quais os Sintomas?


A hérnia de disco pode ser assintomática ou, então, provocar dor de intensidade leve, moderada ou tão forte que chega a ser incapacitante.


Os sintomas são diversos e estão associados à área em que foi comprimida a raiz nervosa. Os mais comuns são: parestesia (formigamento) nos membros superiores e/ou inferiores, com ou sem dor; e perda de força dos membros superiores e/ou inferiores, com ou sem dor.

Nos casos aonde existe a perda de força mesmo sem a presença de dor, o tratamento cirúrgico pode ser o mais indicado.

Como é o Tratamento?


O tratamento Quiroprático nas desordens dos discos intervertebrais é dividido em três etapas e possuem altíssimos níveis de eficácia. A primeira etapa dedica-se na redução dos sintomas dolorosos causados pela lesão discal. É muito importante entender que, todo processo inflamatório da coluna vertebral provoca um ciclo vicioso de tensão muscular, perda de movimento articular, aumento da inflamação local, e aumento da dor que consequentemente, tensionará ainda mais a musculatura e dará continuidade a este ciclo.


Após controlado os sintomas dolorosos, inicia-se a segunda etapa, que consiste em restaurar o movimento articular e preparar os componentes estabilizadores da coluna para evitar quadros de recidiva do paciente. Nesta etapa, exercícios musculares dirigidos são fundamentais para preparar os músculos que estabilizam a coluna vertebral e com isso, garantir que não haja o retorno dos sintomas da lesão discal.


A terceira etapa está na manutenção. Uma vez ocorrido uma lesão discal, é muito importante que haja acompanhamento com um quiropraxista para garantir que as atividades do cotidiano não prejudiquem o funcionamento da coluna e despertem os sintomas inflamatórios da lesão do disco intervertebral.

COMENTE ESSE POST

Compartilhe no Google +

0 comentários: